simboloolimpico

OS JOGOS DO RIO

8 de agosto de 2016

Diante da estupenda cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio, como não admirar a imaginação dos brasileiros, nos moldes que lhes são próprios? Não sentir uma surpresa cheia de esperança frente a mais essa demonstração de vitalidade?  Construída e aprimorada a partir da Colônia, até se apoderar dos recursos tecnológicos do mundo virtual – que regem boa parte das manifestações artísticas hoje em dia – recursos absorvidos e tão bem manejados por nossos criadores em várias áreas, como visto na festa? Como não prestar atenção ao descompasso entre a potência da expressão artística brasileira, se comparada à esqualidez das iniciativas – ou falta delas – habituais em todos os campos da nossa política, de qualquer colorido ou tendência? Como não desistir dos timoneiros de almas que, dos dirigentes romanos aos heróis da Revolução Francesa – não esquecendo alguns produtos genuinamente brasileiros –, chegando aos altos cargos se perdem na onipotência, no hedonismo e na corrupção?

Pois tem sido assim que, exibindo uma fratura de proporções respeitáveis entre sociedade civil e poderes constituídos, nosso país vai se movendo aos trancos e recua, no plano político e econômico, quase na mesma proporção em que avança, esquecendo sistematicamente, no piso inferior, medidas que atenderiam à necessidades urgentes nos campos da educação, da saúde, da moradia, do transporte e do respeito ao meio ambiente de todos nós.

Num quadro no qual o exercício da política, como ocorre no Brasil, não tem compromisso com o coletivo mas com o apetite dos que exercem o mando para atender, basicamente, a interesses pessoais, o jogo partidário mal passa de triste dominó em que as peças são colocadas em função de identidade de propósitos de cunho meramente privado. Enquanto isso, a nação sofre com a ausência do poder público em todas as áreas em que seria essencial a sua presença ativa.

E é curioso que diante da necessidade de identificar o país, para si mesmo e para o mundo, por meio de um evento da proporção dos Jogos Olímpicos, sejam a arte e os artistas, aqui sempre tão desprestigiados, que consigam atenuar um pouco a imagem desastrosa que o Brasil vem mostrando, desde os dois últimos períodos presidenciais, o segundo, interrompido no meio do caminho.

Porque o que se viu no Maracanã, nesse 5 de agosto de 2016, foi alguma coisa digna de reflexão. Contando, aparentemente, com recursos menores do que os gastos por cerimônias equivalentes em outros países e anos passados, os criadores do espetáculo chegaram a uma bela síntese, expressiva da identidade brasileira, onde arte popular e erudita; som e imagem; negros, índios e brancos; a representação das moradias em concreto, da vegetação, da terra e do mar; a citação de obras de alguns brasileiros notáveis, se misturaram num espetáculo de grande impacto visual, justeza técnica e temática, esboçando para o mundo e para nós mesmos, um traçado que se aproxima muito daquele desenho claro, nítido, repleto de invenções, nuances e possibilidades, ao qual estamos tentando chegar, apesar de tudo, há mais de 500 anos.


COMENTÁRIOS

  • Uma análise perfeita de nosso país. A impecável cerimônia da abertura dos jogos nos veio mostrar, mais uma vez, que só a Arte tem o poder de salvar.

  • Ana Luísa,
    Gostei muito de seu resgate desta curiosidade do espetáculo:no momento mesmo que a cultura quase agoniza, bem na hora “H”, arte e artistas são convocados pra nos representar.
    abraço,

  • Ana Luísa,

    a imprevisibilidade dos temas abordados torna o blog “De tudo um pouco” ainda mais rico e instigante.
    abraços,
    Gilmar

  • Excelente texto, Ana Luíza! Como disse a Suzana Fonseca, é muito bom ler o que eu também senti!

  • Você põe em palavras precisas tudo o que a gente de bem do país sentiu na noite de 5/8 e sente no sofrido cotidiano. Muito obrigada por mais esse texto, que nos representa tão bem!

  • Que belo texto, Ana Luisa! Você traduziu de maneira impecável e bela o que muitos de nós brasileiros sentimos ao assistir a tão impecável espetáculo. Obrigada por nos dar voz. Beijos

  • Ana Luisa, a abertura dos Jogos Olímpicos foi mesmo um clarão no meio do nosso panorama tão sombrio. Você fez bem o contraste com nossa realidade diária. Sucinto e a propósito. Um beijo da

    Heloisa

  • Isinha, realmente foi um espetáculo ímpar. Um tapa com luva de pelica nos mais ricos, que com sua imprensa vinham fazendo escárnio da nossa terra.
    Lindo o desabafo de Diego Hippólito, não dá pra esquecer, ” mesmo com o pouco caso dado a nós atletas, continuei lutando, nós somos uma nação, nós somos um grande povo”…
    É isso aí brazucas! Bola pra frente sempre.

  • Ana Luisa
    Seu texto é tão claro e perfeito que deveria ser enviado aos nossos políticos com sua mentalidades estreitas e desvirtuadas Parabéns!!!!!

  • Muito bom !
    Gostei de ler tudo o que senti.
    O espetáculo primoroso nos relembrou a todos que somos uma Nação.
    Foi muito emocionante. Despertou o orgulho e uma ponta de esperança.
    obrigada por marcar isso no seu texto.
    bj

  • Boa Ana. Ate os mais pessimistas foram obrigados a dar a mao a palmatoria. Muito ufana de tanta criatividade.e verdade seja dita os mandoes tiveram a maior confianca nas suas escolhas e deixaram-nos trabalhar sossegados.


Comente

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Ouro sobre Azul | contato@ourosobreazul.com.br | T [55] 21 2286 4874
Rua Benjamim Batista, 153/102 | 22461-120 | Jardim Botânico | Rio de Janeiro - RJ


© Ouro sobre Azul. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Ouro sobre Azul Design